O capitalismo não existe. Isto que aí enxergam não passa da sombra de uma falha de caráter. Tú morrerás, ó neoliberal. Vosso acúmulo de riquezas pagará caixão nobre. Vossos rebentos especularão sobre vosso espólio. E, no fligir dos ovos, de neoliberal restará somente Deus, abrigado nas nuvens, que nos assiste nessa humana auto-regulamentação. De capitalistas restarãos Ermírios e Bills - mas só em horário comercial.

Você, terráqueo, ao menos enquanto respiras, aceite o que aí está: este socialismo de ansiedades, este comunismo de cheiros, este marxismo de almas. Respire e pense. Deixe a carteira em casa e pise, uma vez, descalço em terra firme. Feche os olhos e procure apoio. O capital te cegou? O social te leva ao divã, não é? Pois bem, siga a luz, ainda que fraca. Ela aponta o caminho.

sub.bar.os.